sábado, 4 de outubro de 2008

“Isidro Batista - A história do mudo”

Pires de Amílcar-Cavalo apresenta:

Uma grande pérola da MPA.


Fica aqui apenas uma das memórias de Isidro Batista.

O que torna esta música fantástica é o facto de relatar um diálogo entre um magistrado (que entretanto abandonou a carreira) com um mudo. E a excelência atinge-se na forma do mudo comunicar com o magistrado, mas isso deixo para vocês descobrirem ao ouvir a música. Vejam se percebem tudo o que o mudo diz, principalmente o final, que aqui funciona como punchline, desvendando todo o mistério por detrás da morte da mulher do mudo. Deixo aqui uma sugestão para que deixem um comentário com a possível razão.


Ok! Até ja podem ter ouvido anteriormente, mas não podem negar a sua impagabilidade natural e lusitana.

1 comentário:

Leonel disse...

A minha teoria é que a mulher do surdo era lesbica e andava a sakar a esposa(aproveiro todas as oportunidades para usar esta palavra),do juiz...mas sem duvida que o uso do acordeão revela respeito por toda uma geração de especialistas neste rudimentar instrumento desde Quim Barreiro, Saul Ricardo ou os romenos de rua..